Eu não vou aceitar ser chantageada’, afirma Dilma


Dilma ataca Cunha ao falar sobre processo de impeachment
No momento em que soube da decisão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de acolher a ação de impeachment contra ela, Dilma Rousseff não se surpreendeu. “C’est la vie”, afirmou. “Eu não vou aceitar ser chantageada.”
Dilma foi avisada um pouco antes do anúncio de Cunha e se reuniu no Palácio do Planalto com os ministros Jaques Wagner (Casa Civil), José Eduardo Cardozo (Justiça) e Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), entre outros. Ficou decidido ali que ela precisaria fazer um “contraponto forte” ao presidente da Câmara, na linha da ética, mostrando que o deputado usa o cargo para se proteger e ameaçar o governo. O Planalto deve recorrer ao Supremo Tribunal Federal contra o parecer de Cunha.
Cardozo foi um dos que ajudaram Dilma a redigir o pronunciamento, planejado sob medida para que ela não deixasse dúvidas de que é vítima de uma vingança. Depois do discurso, a presidente recebeu no Planalto o apoio de vários deputados e senadores da base aliada e também de outros ministros.
“Vamos trabalhar e conquistar politicamente a derrota do impeachment”, reagiu Dilma. Um dos presentes contou que, por mais estranho que possa parecer, a sensação dela, naquele momento, parecia ser de alívio. A presidente chegou a dizer que a aprovação da mudança da meta fiscal pelo Congresso, ontem, provava que o governo pode vencer os mais duros obstáculos.
Dilma falou com o vice Michel Temer (PMDB) apenas por telefone e recebeu uma ligação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que também conversou com Wagner. Lula disse que o governo tinha condições de recompor sua base e derrubar o impeachment, reunindo 171 votos no plenário.
Nas fileiras do PMDB, porém, muitos estranharam o comportamento de Lula, que lavou as mãos e não enquadrou o PT.
Ao anunciar que votariam contra Cunha, os três deputados petistas no Conselho de Ética atenderam ao apelo do presidente da sigla, Rui Falcão, e à pressão de militantes, mas contrariaram o núcleo duro do Planalto. O governo já esperava, desde então, que Cunha aceitasse o pedido de afastamento de Dilma. Antes de declarar guerra, no entanto, ele avisou Temer.
Na avaliação de auxiliares da presidente, o PMDB deu sinal verde para o impeachment e já se prepara para abandonar Dilma, desviando os holofotes da Lava Jato. Embora uma ala do governo ache que é melhor enfrentar logo o processo no plenário, o clima de incertezas faz com que a apreensão tome conta do Planalto. Foi um ano perdido para Dilma, que até agora não conseguiu governar.
msn

Comentários