quinta-feira, 2 de março de 2017

Assassinato brutal de três irmãs choca cidade no interior de SC

Mortes a facadas de jovens de 12, 15 e 23 anos deixaram consternada a colônia de imigrantes protestantes alemães, diz delegado; ex-namorado é suspeito

Julyane Horbach
Um crime cometido na segunda-feira chocou a população de Cunha Porã, tranquila cidade de 11 mil habitantes no Extremo Oeste de Santa Catarina: três irmãs, com idades entre 12 e 23 anos, foram brutalmente assassinadas a facadas dentro da casa onde a irmã mais velha, Julyane Horbach, vivia com o marido, Gilvane Meyer.
O principal suspeito do triplo assassinato é Jackson Lahr, 24 anos, ex-namorado de uma das irmãs, Rafaela Horbach, 15 anos, com quem ele tinha um filho de dois meses – o bebê estava na casa e foi poupado. A outra irmã era Fabiane Horbach, de 12 anos.
Segundo o delegado Joel Specht, responsável pelas investigações, Lahr foi preso na cidade de São Carlos, a cerca de 30 quilômetros de Cunha Porã. Ele passava por atendimento médico em um hospital da cidade já que, durante o crime, ele também foi atingido por golpes de faca desferidos por Meyer.
As vítimas foram enterradas na terça-feira sob forte protesto e comoção na cidade. Para o delegado, o crime é um dos mais graves da história do município, fundado em 1958 como uma colônia para abrigar imigrantes protestantes de origem alemã. “Para uma cidade como Cunha Porã, o crime é chocante. A população ficou muito consternada com a família”, afirmou.
Página de Julyane Horbach  transformada em memorial
Página de Julyane Horbach transformada em memorial

Pessoa calma

De acordo com as investigações, Lahr não tinha histórico de violência doméstica, mas já havia ameaçado a ex-namorada – na ocasião, Rafaela chegou a registrar um boletim de ocorrência por ameaça e a pedir proteção policial.
Para familiares, o acusado era uma pessoa calma. “As pessoas que foram ouvidas até o momento, inclusive familiares do Jackson, alegam que ele era um homem simples e calmo. Segundo os parentes, ele não apresentava comportamento violento e sempre trabalhou em lavouras da região”, afirma o delegado.
Em depoimento, Lahr confirma que esfaqueou o marido de Julyane, mas disse não se lembrar do que aconteceu depois disso. Segundo o depoimento, ele não tinha acesso ao filho, não aceitava o fim do relacionamento e não concordava com o pagamento de pensão alimentícia. A arma do crime ainda não foi encontrada pelos policiais.
No dia do crime, Meyer, após receber diversas facadas, se fingiu de morto e rastejou até a casa de um vizinho para pedir socorro. As três irmãs foram encontradas mortas.  O bebê foi encontrado pelos policiais dormindo em um dos quartos da casa.
Lahr será indiciado por triplo feminícidio e uma tentativa de homicídio qualificado. Os laudos periciais deverão ser concluídos nesta sexta-feira. Segundo o delegado, os pais das vítimas deverão ser ouvidos ainda nesta quinta-feira. As buscas pela faca usada no crime continuam.
Veja

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays