sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Começar o dia com boas notícias... Ações solidárias em Goiânia... porque ajudar a quem precisa, faz bem!


Um projeto lindo e inspirador!


Grupo Mamas da Solidariedade ajuda famílias carentes na Grande Goiânia

A partir das redes sociais, projeto ganhou voluntários e faz campanhas.
Eles levam alimentos, roupas, livros, alegria e orientações aos beneficiados.


Projeto Mamas da Solidariedade, Goiânia, Goiás (Foto: Paula Resende/ G1)
Projeto Mamas da Solidariedade ajuda famílias carentes de Goiânia (Foto: Paula Resende/ G1)
A partir da vontade de uma mãe, mulheres se uniram e criaram o projeto Mamas da Solidariedade com o objetivo de ajudar famílias carentes em Goiânia. O grupo cresceu e conta atualmente com cerca de 50 pessoas, desde crianças até idosos, com vontade de fazer o bem.
“É muito gratificante. Geralmente, a gente sai das casas até mais feliz do que as famílias. E nossa principal motivação é a dedicação, o amor ao próximo. Nós deixamos de fazer coisas pessoais para separar uma roupa, um alimento ou responder aos pedidos na internet”, disse ao G1 a administradora do grupo, a empresária Rejane Carmo de Miranda Ribeiro, de 38 anos.
G1 Goiás publica, a partir desta semana, uma série de reportagens sobre como ajudar instituições de caridade de Goiás.
Criado em 2013, o Mamas da Solidariedade surgiu a partir da ideia de Rejane em doar brinquedos a crianças de uma creche. Ela convidou a irmã, a fotógrafa Niele Piau, de 43 anos, para participar da ação e logo outras mães se uniram em busca de conseguir 100 exemplares. Segundo a empresária, a ação fez tanto sucesso que eles receberam 1 mil donativos.
As redes sociais são fundamentais para o crescimento do grupo, para o recolhimento de donativos e para receber pedidos de ajuda. Rejane conta que o trabalho de voluntários é essencial para a  expansão das atividades. Só em um perfil do projeto, há 3 mil seguidores.
“A gente posta na página que precisamos levar coisas para um bairro tal, que precisamos de doação de alguma coisa ou que precisamos fazer a triagem de uma família para saber, por exemplo, quantas pessoas têm, as idades e tamanhos das roupas, e sempre alguém se oferece para ajudar porque não temos tempo de fazer tudo. Assim, quando vamos levar os donativos já levamos tudo certinho”, explica Rejane.
Projeto Mamas da Solidariedade, Goiânia, Goiás (Foto: Paula Resende/ G1)Página nas redes sociais é fundamental para a atuação do grupo (Foto: Paula Resende/ G1)
Emoção

Além de realizar festas, como de Natal, o grupo atende uma média de três famílias por semana. Valéria Sousa, de 22 anos, foi a última a receber os donativos, na quarta-feira (7), após uma vizinha dela pedir ajuda ao grupo.

Grávida de 9 meses, ela mora com o marido e os quatro filhos, com idades entre 7 e 2 anos em uma casa construída com tapume e lona, no Setor Virgínia Park, em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Sem camas para todos, os meninos dormem em duas cama de solteiro, que ficam na cozinha.
Os seis, que a qualquer momento passarão a ser sete, sobrevivem com cerca de R$ 1 mil por mês, que é o dinheiro que o marido da Valéria, Salvador Júnior, ganha como servente de pedreiro. Por isso, eles receberam com muita emoção as Mamas da Solidariedade.
Além de levar sapatos, roupas, alimentos, brinquedos e kits de bebê, as voluntárias proporcionam momentos de alegria e dão orientações à família, como dicas sobre saúde. “Fico muito alegre porque a gente não tem as coisas. Tem época que a gente não tem ajuda e a situação fica complicada”, disse Valéria.
Projeto Mamas da Solidariedade, Goiânia, Goiás (Foto: Paula Resende/ G1)Michele faz questão de levar a filha, de 1 ano e 4 meses, nas ações (Foto: Paula Resende/ G1)
De crianças a idosos

No último encontro, participaram quatro mulheres e a caçula do grupo, Luiza, de 1 ano e 4 meses. Mãe da criança, a contadora Michele Manrique, de 34 anos, integra o projeto desde o começo e faz questão de levar as filhas para as ações.

“Estou ensinando a ser solidária, dando exemplo. A Luiza não entende ainda, mas ela sente a alegria das crianças. Já a minha mais velha, de 7 anos, já entende e quando ganha brinquedos já me diz: ‘Mãe, acho que está na hora de levar para as crianças que não têm’”, conta Michele.
Ao conhecer o trabalho das Mamas da Solidariedade, há cerca de um ano, a empresária Rute Gonçalves, de 53 anos, decidiu fazer parte do projeto. Ela diz que se encantou com as atividades do grupo.
“Elas fazem um trabalho sem envolver política, sem visar o benefício próprio, é tudo muito claro. Você chega e vê maridos, crianças participando e é emocionante. É contagiante o amor que elas colocam no projeto”, garante Rute.
Projeto Mamas da Solidariedade, Goiânia, Goiás (Foto: Paula Resende/ G1)Rute foi uma das últimas aintegrar o grupo: 'É contagiante' (Foto: Paula Resende/ G1)
Doações

De acordo com as voluntárias, elas recebem cerca de 10 pedidos de ajuda por dia, mas não têm donativos suficientes para socorrer a todos. Assim, o projeto recolhe roupas, sapatos, livros literários, brinquedos, enxoval de bebês, material escolar e alimentos.

“Não temos donativos para todos, colocamos as emergências na frente, como crianças e idosos. Precisamos, principalmente, de alimentos. Não aceitamos também roupas raspagadas ou descosturadas”, explica Niele.
Como o projeto não tem uma sede, os donativos podem ser entregues no Centro de Beleza Jô Magalhães, na Vila Redenção, e no Arboretum Café, no Setor Marista, na capital. Já em Aparecida de Goiânia, o ponto de entrega é o Ribeiros Assessoria Contábil, no Bairro Hilda.
Mamas da Solidariedade

O que doar: roupas, sapatos, livros literários, brinquedos, enxoval de bebês, material escolar e alimentos.
Onde doar: Centro de Beleza Jô Magalhães, que fica na Avenida Gonzaga Jaime, quadra 15, Lote 10, na VIla Redenção, em Goiânia. Já o Arboretum Café está localizado na Praça Dona Adélia Martins Batista, no Setor Marista, na capital. Já em Aparecida de Goiânia, o ponto de entrega é o Ribeiros Assessoria Contábil, localizado na Praça José Araújo Lima, quadra 23, Lote 1, sala 1, no Bairro Hilda.
Informações:perfil do grupo Mama das Solidariedade ou pelo telefone (62) 98569-4475.

Projeto Mamas da Solidariedade, Goiânia, Goiás (Foto: Paula Resende/ G1)Voluntários dividem donativos conforme o tamanho da família e por idade (Foto: Paula Resende/ G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays