quarta-feira, 30 de março de 2016

Ex-lutador é preso suspeito de estuprar filha de 2 anos e enteada de 9




abuso
A Polícia Civil do Amapá prendeu em Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá, um ex-lutador de MMA de 22 anos. Ele é suspeito de abusar sexualmente da filha de 2 anos e da enteada de 9 anos. A prisão ocorreu em flagrante dentro da própria delegacia, quando o suspeito tentava intimidar a mãe das vítimas enquanto ela denunciava o caso na terça-feira (29). O ex-lutador negou todas as acusações.
“A mãe chegou na delegacia e disse que a filha de 9 anos foi estuprada. Nesse momento, o autor do fato chegou para intimidá-la. Pedi para ele esperar na recepção e voltei a escutar a mãe. Quando ela me disse que uma sobrinha viu tudo, fui direto na recepção e o prendi em flagrante”, contou o delegado Charles Corrêa.
A investigação aponta que o caso foi descoberto pela prima de 11 anos das vítimas, que teria visto a menina de 9 anos e o suspeito em relações sexuais dentro do quarto da casa onde ele mora na noite de segunda-feira (28). A testemunha relatou o caso para a mãe da vítima, que denunciou à Polícia Civil no dia seguinte.
Segundo o delegado Charles Corrêa, durante o depoimento da vítima de 9 anos, foi descoberto que a irmã dela, de 2 anos, também teria sido abusada sexualmente pelo ex-lutador. Exames no hospital teriam constatado o ato libidinoso contra as crianças.
“Na entrevista com a psicóloga, a menina de 9 anos disse que não era filha legítima do ex-lutador, mas a irmã dela, sim. Ela contou que eles [suspeito e vítima de 2 anos] costumavam ficar trancados dentro do quarto sem deixar entrar. Desconfiamos e fomos fazer o exame na criança de 2 anos e não deu outra. Também foi estuprada”, afirmou Corrêa.
Os abusos sexuais costumavam acontecer na casa do suspeito durante a noite após a mãe das vítimas deixá-las com o ex-lutador enquanto trabalhava como garçonete em Oiapoque. O casal está separado há três semanas, mas os atos libidinosos aconteciam há pelo menos um ano.
Em depoimento na delegacia, o suspeito negou os abusos e disse ser usuário de cocaína. A Polícia Civil acredita que o ex-lutador fazia uso diário da droga e praticava os atos sob efeito do entorpecente.
O ex-lutador está preso na delegacia e depois será encaminhado ao presídio de Oiapoque. Ele responderá pelo crime de estupro de vulnerável com base nos depoimentos das vítimas, da sobrinha testemunha e dos exames feitos pelos médicos. As vítimas estão sob a guarda da mãe e recebem acompanhamento psicológico.
G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays