Sobre julgar as pessoas

Por que julgamos os outros?
O que realmente conhecemos ou pensamos conhecer, da vida do próximo?
Por que, ao invés de julgar as pessoas, eu não avalio minhas atitudes e faço um esforço para (na medida do possível, corrigi-las?



Já parou alguma vez para pensar sobre a facilidade
que temos para julgar o próximo?
Como podemos perceber, conhecer os erros dos outros se não tivermos esses mesmos erros?
Talvez os nossos sejam até maiores ou piores do que aqueles que "condenamos" nos outros!
Difícil é entender como tanta gente se preocupa com defeitos alheios, enquanto os seus ficam à revelia!
Devemos lembrar que toda vez que julgamos os outros, estamos medindo a nós mesmos.
Defeitos sempre os teremos, mas não custa muito sermos um pouco mais tolerantes e prestar mais atenção em nossa conduta!
Ser bom/boa, ser gentil, respeitoso, educado/a, generoso/a... não é nenhum favor, é nosso dever!
À medida que perdoo, também serei perdoado.

*****************************
isisdumontprosaeverso.net
"Não julgueis e não sereis julgados, não condeneis e não sereis condenados".
Lc 6, 37




Comentários

  1. Lembrei da Oração de são Francisco

    Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
    Onde houver ódio, que eu leve o amor;
    Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
    Onde houver discórdia, que eu leve a união;
    Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
    Onde houver erro, que eu leve a verdade;
    Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
    Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
    Onde houver trevas, que eu leve a luz.

    Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
    Consolar, que ser consolado;
    compreender, que ser compreendido;
    amar, que ser amado.
    Pois é dando que se recebe,
    é perdoando que se é perdoado,
    e é morrendo que se vive para a vida eterna.




    beijogrande

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Aparecida. Estou bem longe da perfeição, e pode acreditar, não creio que um dia chegarei próxima a ela, e nem quero... mas sabe, páginas e páginas já foram escritas sobre o que alguns "alguéns" supuseram ser eu na internet. Eu me irritava; agora, eu as partilho no Google+ e no Facebook.

    ResponderExcluir

Postar um comentário