sexta-feira, 13 de março de 2015

A ESSÊNCIA DO AMOR







Este tempo quaresma é tempo de revisão de vida e o grande e maior mandamento da lei de Deus se resumi em um só: “Ame a Deus de todo teu coração , de toda tua alma e com todo teu entendimento e ao próximo como Eu vós amei”.
Não poderia ser de outra forma, pois o amor é a essência da nossa vida. Deus nos fez, acima de tudo, para o amor pois ele é amor.
Se o amor é a essência da nossa vida, qual é a essência do amor?
Se pudéssemos resumir todo o amor numa atitude, qual seria?
Eu diria que a essência do amor é “a alegria de fazer o outro ser feliz”.
O amor é, antes de mais nada, uma força para o outro. É um dirigir-se para o outro. Por isso, deve aparecer a palavra “outro” na sua definição. Assim sendo, o contrário do amor é uma força para si mesmo, um dirigir-se para si mesmo. E isso é o egoísmo. O que precisamos ter muito em conta é que a força para nos dirigirmos a nós mesmos é muito grande. Todos temos uma tendência forte ao egoísmo.
 
O amor é uma descoberta. É a descoberta do outro.
Trata-se da descoberta de que me causa mais alegria fazer o outro ser feliz do que me fazer feliz. Penso que este exemplo reflete bem o que é o amor. Vamos imaginar um casal de namorados que adora pão de mel. Um deles, a namorada, por exemplo, estando em sua casa, vai à cozinha para pegar o pacote de pão de mel para os dois comerem e descobre que só resta um. Ela poderia pensar: este pão de mel é para mim, pois adoro pão de mel. Vou falar para o meu namorado que ele acabou e depois eu o comerei. Mas, ao invés disso, ela pensa: adoro pão de mel, mas me sentirei muito mais feliz vendo a cara do meu namorado comendo pão do mel do que se eu mesma o estive comendo. Isso é o amor! É a descoberta de que dá mais alegria fazer o outro ser feliz do que fazer feliz a si próprio.
 
Com essa descoberta nasce um desejo de sairmos de nós mesmos, de fazermos uma pessoa especial ser feliz, como é o caso de uma namorada, de um namorado, de um marido, uma esposa, e isso se estende também a todas as pessoas do mundo.
Esta é a essência do amor: “a alegria de fazer o outro ser feliz”. Se essa é a essência do amor, eu costumo dizer que em todo amor deve haver uma saudável disputa, que não costuma ser a que ocorre por aí, para ver quem faz o outro ser mais feliz!

Vamos imaginar o casal terminando de jantar. O marido se levanta rapidamente e diz para a esposa:
- Deixa que eu lavo a louça, pois você está muito cansada!
A esposa ouve aquilo e reage logo em seguida:
- Que é isso, meu bem, deixa que eu lavo a louça, pois você está mais cansado do que eu.
O marido não se deixa vencer:
- Que é isso, meu bem, com certeza você está mais cansada do que eu. Deixa que eu lavo a louça.
A esposa responde:
- Não, não, de jeito nenhum, deixa que eu lavo a louça.
E aí começa aquela saudável disputa para ver quem faz o outro ser mais feliz.
Em quantos casais vemos essa disputa?...

Não importa, vamos nós colocá-la em prática! Que comece a haver essa disputa no nosso dia a dia, desvivendo-nos para fazer os outros serem felizes:
- enchendo-os de carinho;
- servindo-os em mil detalhes;
- elogiando-os;
- aliviando-os em suas cargas;
- interessando-nos por suas coisas;
- alegrando-os;
- acolhendo-os com todo carinho etc, etc.

 Seguindo esse caminho, vamos pôr em prática o que Cristo nos recomendou: dar a vida pelos outros. E com toda a certeza encontraremos a maior felicidade que há no mundo. Vale a pena!
 
 
  

 Pe.Emílio Carlos Mancini.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays