sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

HÁ DESERTOS E DESERTOS.

Majestade Infinita de Deus!



“Tudo fora de nós flutua com as tempestades e tentações deste mundo.
 Mas temos um DESERTO INTERIOR onde recolher-nos e viver de nossa fé.(Sermo 47,25)” ...(Santo Agostinho) 
 O deserto interior nos leva ao encontro com Deus.
O deserto é uma realidade misteriosa e uma metáfora fecunda do percurso contraditório da vida humana. Atualmente, 40% da superfície terrestre está em processo avançado de desertificação.
Mas a vida sempre é mais forte. Ela resiste, se adapta e acaba triunfando. Ainda hoje, nos desertos, viceja vida: mais de 800 espécies vegetais, insetos e animais. Basta soprar um vento mais úmido ou caírem algumas gotas de água para a vida irromper, soberbamente. E, quando há um oásis, a natureza parece se vingar: o verde é mais verde, os frutos, mais coloridos, e a atmosfera, mais ridente.


Há desertos e desertos: desertos dos sentidos, do espírito, da fé. O deserto dos sentidos ocorre especialmente nas relações interpessoais. Depois de alguns anos, a relação de um casal conhece o deserto da monotonia e a diminuição do mútuo encantamento. Se a travessia não for feita, permanecerá o deserto desalentador.

Há ainda o deserto do espírito. No século IV, quando o cristianismo começou a aburguesar-se, leigos cristãos propuseram a manter vivo o sonho de Jesus. Foram ao deserto para encontrar uma terra prometida em sua própria alma. E a encontraram. São João da Cruz fala da noite do espírito "terrível e amedrontadora". Mas o resultado é uma integração radical. Então, da aridez, nasce o paraíso perdido. O deserto é metáfora dessa busca e desse encontro.

Por fim, há o deserto da fé. Hoje, vive-se na Igreja Católica um deserto, pois a primavera que significou o Concílio Vaticano II se transformou num inverno severo por obra de medidas tomadas pelo Vaticano no esforço de manter tradições e estilos que têm a ver com o modelo medieval de poder eclesiástico. Ela se comporta como uma fortaleza fechada aos apelos dos povos. É um modelo de Igreja do medo, o que revela insuficiência de fé e de confiança no Espírito de Jesus.

O que se opõe à fé não é o ateísmo, mas o medo. Uma Igreja cheia de medos perde sua principal substância, que é a fé viva. Os crimes de pedofilia de muitos religiosos e os escândalos financeiros do Banco do Vaticano fizeram com que muitos fiéis conhecessem o deserto, migrassem da instituição, embora mantendo o sonho de Jesus e a fidelidade aos evangelhos. Vivemos num deserto eclesial sem vislumbrar um oásis pela frente. Será o nosso desafio, o de fazer, mesmo assim, a travessia com a certeza de que o Espírito irromperá e fará surgirem flores no deserto. Mas como dói!

"Semeando a Paz" 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays