sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

"Sou a dor que sabe esperar"

(...)Outro dia me pus a pensar que sou semelhante às mulheres da literatura de Érico Veríssimo. 
Aquelas que enquanto os homens se ocupavam da guerra, elas se ocupavam do tempo e do vento. 
Eu não tenho muitas definições a meu respeito; apenas respeito a dor de cada hora, a esperança de cada momento. 
E, se isso me define, então sou a dor que sabe esperar.

[ Trecho do livro Mulheres de Aço e de Flores]

Padre Fábio de MeloImagem: do Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays