(Comovente! Vergonhoso! Revoltante!) 2 bilhões de pessoas poderiam ser alimentadas com comida que vai parar no lixo



Crianças somalis esperando por ajuda - Foto: Domínio Público
Crianças somalis esperando por ajuda - Foto: Domínio Público


A área territorial usada para produzir alimentos que ninguém come poderia formar o segundo maior país do mundo. O alerta é da FAO, a agência da ONU para Agricultura e Alimentação.
Caso a comida desperdiçada fosse um país, seria o terceiro maior emissor de gases de efeito estufa e o maior usuário de água para irrigação. A comparação foi apresentada pela FAO esta quarta-feira, em um congresso sobre o tema que ocorre na cidade alemã de Dusseldorf.
Embalagens
A agência da ONU acredita que combater a perda de alimentos é chave para reduzir a fome e a pobreza e por isso, pede a governos e empresas que intensifiquem as ações para reverter o desperdício.
A Rádio ONU ouviu o representante da FAO em Portugal. De Lisboa, Hélder Muteia falou sobre a importância de embalagens adequadas para poupar e preservar os alimentos.
"É preciso recomendar às indústrias para que joguem fora menos alimentos, reaproveitem mais. Às cadeias de comercialização de produtos e supermercados também, para que no processo de classificação não deitem fora muitos alimentos. É preciso também educar as pessoas para que na hora de preparar sua alimentação, saibam como reciclar, reaproveitar e fazer um trabalho de redução desse desperdício."
Fome
Segundo a FAO, a cada ano, são desperdiçados 1,3 bilhão de toneladas de alimentos, comida suficiente para alimentar 2 bilhões de pessoas. No mundo, 842 milhões estão passando fome.
Se as perdas atuais foram reduzidas pela metade, já haveria um impacto "dramático" na quantidade de alimentos disponíveis. A FAO destaca ser preciso aumentar em 60% a comida do mundo, porque a população em 2050 chegará a 9 bilhões.
Os alimentos podem ser perdidos na fase de produção, de colheita, de transporte ou armazenamento, além do desperdício gerado pelos consumidores.

http://www.revistaecologico.com.br/noticia

Comentários