Pular para o conteúdo principal

“Estamos a morrer!” O dia em que a Itália deixou 60 crianças afogarem-se



Sobreviventes do naufrágio chegam ao porto de La Valetta, um dia após o incidente.
Foto
Sobreviventes do naufrágio chegam ao porto de La Valetta, um dia após o incidente. REUTERS/DARRIN 
ZAMMIT LUPI

Onze de Outubro de 2013 foi uma das datas mais negras da
crise migratória desencadeada pela Guerra da Síria. Nesse dia, 268 pessoas, entre as quais 60 crianças, morriam nas águas do Mediterrâneo, perto da ilha italiana de Lampedusa, depois de um barco pesqueiro sobrelotado proveniente da Líbia se ter virado e afundado. Quase quatro anos depois, a revista italiana L’Espresso divulga agora um conjunto de cinco gravações telefónicas que revelam como as autoridades italianas ignoraram durante cinco horas os pedidos desesperados de auxílio de um médico sírio a bordo.

Segundo a revista italiana, que reproduz as gravações áudio no seu site, o primeiro alerta foi dado às 12h39. A essa hora, o centro de operações da guarda costeira italiana, em Roma, recebe uma chamada de Mohanad Jammo, um médico sírio que dá conta dos problemas a bordo, indicando a presença de “cerca de cem crianças, cem mulheres e talvez cem homens”. Na verdade, soube-se mais tarde, estavam pelo menos 480 pessoas no pesqueiro líbio.

“Por favor despachem-se. Está a entrar água. Por favor despachem-se, por favor despachem-se. Por favor. (…) o barco está a afundar-se. Juro, há cerca de meio metro de água no barco”, ouve-se na gravação.

Do outro lado, uma funcionária da guarda costeira pede as coordenadas da embarcação, prontamente indicadas por Jammo. No entanto, não é tomada nenhuma acção na sequência deste contacto.

'Ligue a Malta, ligue a Malta'
Às 13h17, o médico sírio volta a pedir ajuda. “Enviaram alguém? Somos sírios, somos cerca de 300”, diz. Uma voz masculina responde em tom impaciente: “Eu dou-lhe o número de Malta, porque está perto de Malta – perto de Malta, compreende?” Era o início de uma nova fase do incidente, em que Roma e La Valletta empurram entre si a responsabilidade pelo auxílio aos refugiados sírios.

Ao contrário do que a voz masculina alegava, sabe-se agora que o navio estava a 61 milhas náuticas da ilha italiana de Lampedusa e a 118 milhas náuticas da costa maltesa. Naquele momento, a embarcação encontrava-se em águas internacionais, numa área em que Malta era de facto responsável por missões de busca e salvamento. No entanto, havia um navio militar italiano a apenas 20 milhas náuticas do pesqueiro líbio.

A lei marítima internacional, sublinha o jornalista Fabrizio Gatti ao Washington Post, determina que a Itália tinha por isso o dever de socorrer os refugiados sírios.

É isto que Jammo diz num terceiro telefonema, às 13h48. “Eu liguei a Malta. Eles disseram-nos que estamos mais próximos de Lampedusa do que de Malta. Eu dei a nossa posição, vocês estão nas proximidades. Estamos a morrer, por favor!”, ouve-se na gravação que Gatti obteve através de uma fonte anónima maltesa.

“Estamos a morrer! Trezentas pessoas! Estamos a morrer!”, exclama o médico sírio. “Ligue a Malta, ligue a Malta”, respondem as autoridades italianas.

Troca de faxes entre Roma e La Valetta
Durante a tarde, num quarto telefonema divulgado pela revista transalpina, as forças armadas maltesas e a guarda costeira italiana continuam a debater quem deve sair em auxílio dos sírios. Refere-se até uma troca de faxes, apesar da urgência da situação. Malta está disposta a participar no resgate, mas Itália tem de agir primeiro. E eis que Roma justifica a sua recusa: o navio que está a pouco mais de uma hora do pesqueiro líbio é um activo estratégico na vigilância daquelas águas, e o resgate dos sírios implicaria posteriormente uma viagem até Lampedusa, deixando a área desguarnecida.

O melhor do Público no email
Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público.
Subscrever×
Às 17h07, novo telefonema de Malta para Itália. Agora, o tom é grave. Um avião maltês sobrevoou a área e confirmou que o pesqueiro líbio acabou por adornar. Há centenas de pessoas na água e La Valetta exige a Roma a mobilização dos seus meios. É só então que os italianos iniciam a operação de salvamento.

Continuar a ler
https://www.publico.pt/2017/05/09/mundo/noticia/estamos-a-morrer-o-dia-em-que-a-italia-deixou-60-
criancas-afogaremse-1771516

Comentários

Eles estão caçando gays

Dia dos namorados - Acróstico

D.e repente você sente algo por outra pessoa... I.maturo(a), no verdor da juventude, sente-se  A.traído por alguém, que será seu primeiro namorado(a).
D.urante o namoro, uma fase linda, maravilhosa, mágica, O.nde tudo parece perfeito e infinito, nascem os S.onhos, que  embalam mais o encantamento do casal.
N.ada se compara à felicidade de um amor verdadeiro... A.inda sendo “difícil”, vale insistir viver uma bela história, M.as, precisa ser um amor livre. independente, só seu. O.amor nos prega peças muito difíceis de esquecer! R.aramente vive-se o amor com a mesma intensidade. A. rotina "corrói", destrói, a relação fica “insuportável”. D.evemos zelar como se fosse uma plantinha, O.s sentimentos que um dia nos uniram ao ser amado! S.e não sobrar amor, deve haver respeito e amizade.
Isis Dumont http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/publicacoes/editor.php?acao=ler&idt=4338424&rasc=0

Dent: A doença que, de tão rara, obriga uma mãe a buscar sozinha os recursos para a cura

Direito de imagemEVA GIMÉNEZImage captionEva faz sua própria odisseia para financiar pesquisas para a cura da doença de Nacho "Mamãe, vão me picar hoje?". "Sim", responde Eva Giménez sem hesitar. "Hoje você será picado, Nacho." "Mamãe, por que eu vou tanto ao hospital e as crianças da minha turma não?" "É porque você tem a doença de Dent. Não sabe?" "Ah, sim, claro, mamãe, por isso. Ok, ok." Nacho mora na Espanha, tem 7 anos e sonha em ser jogador de futebol, mas está proibido de correr ou jogar bola, exceto por um curto período de tempo a cada duas ou três semanas. Tudo porque sofre de uma grave osteoporose. "Nós vamos dois dias ao hospital e três dias à escola", explica Eva ao telefone à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC. Mas ressalta que "Nacho é o garoto mais feliz do mundo". "Queríamos que Nacho vivesse suas limitações e sua doença com alegria, porque não é algo passageiro. É para a vida toda…

Empatia, flexibilidade, cooperação: pesquisa de Harvard explica por que habilidades sociais ganham força no mercado de trabalho

Direito de imagem


Direito de imagemGETTY IMAGESImage captionProfessor de Harvard analisou o mercado de trabalho americano entre 1980 e 2012 A automação "engole" empregos ao redor do mundo, mas ainda está distante de substituir trabalhadores que combinem diversas habilidades complementares entre si - em especial habilidades sociais, como a capacidade de escutar e de trabalhar eficientemente em equipe. A explicação é do pesquisador David Deming, professor de Políticas Públicas, Educação e Economia na Universidade Harvard e autor de um estudo chamadoA crescente importância de habilidades sociais no mercado de trabalho, publicado em maio. Na pesquisa, que compila dados do mercado de trabalho dos EUA entre 1980 e 2012, ele nota um aumento na oferta de empregos para funções que requerem alto grau de interação humana, como gerentes, professores, enfermeiros, médicos e advogados. Enquanto isso, empregos puramente técnicos e de baixa interação humana, ocupados por exemplo por matemátic…

Incêndio florestal deixa 62 mortos e 59 feridos em Portugal

Mais da metade das pessoas morreu carbonizada dentro de seus carros em uma estrada tomada pelas chamas. Autoridades já afastaram a hipótese de incêndio criminoso

Bombeiros combatem incêndio na região central de Portugal, neste domingo (18) (Foto: Rafael Marchante/Reuters)
Um incêndio florestal de grandes proporções matou 62 pessoas e deixou 59 feridos em Pedrógão Grande, na região de Leiria, no centro de Portugal, segundo balanço oficial divulgado pelo jornal português “Público” na manhã deste domingo (18). Autoridades já afastaram a hipótese de incêndio criminoso. Mais da metade das vítimas (30) morreu carbonizada dentro de seus carros na estrada entre Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, que foi tomada pelo fogo no sábado (17). O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, informou que, entre os feridos, 18 foram levados para hospitais. Quatro bombeiros e uma criança estão em estado grave. O número de mortos ainda pode aumentar.
VEJA FOTOS
O diretor nacional da P…

Deixar a mente fluir