sábado, 8 de abril de 2017

Trump justifica ao Congresso ataque na Síria: ‘Interesses vitais’

Em carta a democratas e republicanos, presidente americano diz que agiu segundo sua "autoridade constitucional para conduzir as relações internacionais"

Donald Trump
O presidente dos EUA, Donald Trump, durante pronunciamento sobre ataque à Síria - 06/04/2017 (Carlos Barria/Reuters)

A Casa Branca enviou hoje uma carta do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a líderes democratas e republicanos do Congresso, explicando sua decisão de ordenar ataques aéreos na Síria. Na carta, Trump disse que “agiu de acordo com os interesses vitais de segurança nacional e política externa dos EUA” e com “a minha autoridade constitucional para conduzir as relações internacionais”.
Trump afirmou que estava enviando a carta como parte de seus esforços para “manter o Congresso plenamente informado, de acordo com a Resolução dos Poderes de Guerra”. Alguns congressistas insistem que Trump precisa de aprovação do Congresso para atos de guerra.
O presidente americano recebeu amplo apoio pela ação militar, que os EUA dizem ter sido em resposta ao ataque químico que matou mais de 80 pessoas na terça-feira na Síria, e que a Casa Branca acredita ter sido conduzido pelo próprio governo de Bashar al-Assad.
Alvos – Novos bombardeios atingiram neste sábado a cidade síria que sofreu um ataque químico na terça-feira, 4, quando 87 pessoas morreram e centenas ficaram feridas. Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede na Inglaterra, o ataque realizado neste sábado aconteceu no lado oriental da cidade de Khan Sheikhoun e matou uma mulher. Apenas aeronaves russas e sírias sobrevoam a região controlada por rebeldes na província de Idlib.
Além disso, pelo menos 15 civis morreram na cidade de Hunaida, perto de Raqqa, após bombardeios feitos por aviões. Entre as vítimas estavam quatro crianças. O ataque partiu de aeronaves pertencentes à coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos.
(Com Estadão Conteúdo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays