Ministério da Saúde divulga novos números sobre microcefalia

Até o último sábado, 1.761 casos foram notificados em 422 municípios de 14 unidades da federação

Brasília - O número de casos de microcefalia continua a crescer em todo o país. Dados divulgados pelo Ministério da Saúde mostram que em uma semana o número de casos suspeitos passou de 1.248 para 1.761, um aumento de 41%. Comparado a 2014, que teve um total de 147 notificações, o crescimento é assustador. Contabilizado até o último sábado, o novo Informe Epidemiológico sobre Microcefalia revelou ainda a morte de 19 crianças em oito estados com suspeita da malformação cefálica - duas delas no Rio de Janeiro.
Por causa desse surto, o governo do Rio lançou a campanha ‘10 minutos salvam vidas’, para substituir a campanha “10 minutos contra a dengue”. Com o alerta para o Zika vírus e a febre Chikungunya, a ideia é estimular a realização de fiscalizações semanais nas casas das pessoas, para eliminar possíveis criadouros de Aedes aegypti.
Relação com os casos de microcefalia em investigação
Foto: Divulgação
plano conta com 170 novos carros para levar os agentes de saúde que fazem vistorias nas residências, e a produção de material informativo com atividades que os moradores devem cumprir toda semana, como certificar se as caixas d'água estão fechadas e manter vasos de plantas limpos.
Segundo o governador Luiz Fernando Pezão, é preciso que todos tenham consciência da importância da união para o combate ao mosquito. “Só vamos avançar se estivermos de mãos dadas”, diz.
O ministro da Saúde, Marcelo Castro, afirmou que a situação da microcefalia é “gravíssima” e que não faltarão recursos. “Este é o problema número 1 que o Brasil tem hoje. Não há problema mais grave do que a microcefalia”, afirmou. “É a primeira vez que ocorre na humanidade (a correlação de zika com a malformação fetal). Estamos aprendendo agora”. Ele ressaltou ainda a importância de as mulheres em idade fértil reforçarem cuidados para evitar a contaminação pelo mosquito.
Do início do ano até o último sábado, o estado de Pernambuco registrou o maior número de casos (804). O Rio de Janeiro aparece na 11ª posição, com 23 notificações. Já o número de óbitos foi registrado em oito estados do país. São eles: Rio Grande do Norte (7), Sergipe (4), Rio de Janeiro (2), Maranhão (1), Bahia (2), Ceará (1), Paraíba (1) e Piauí (1). Os possíveis casos ainda estão em investigação para confirmar se há relação com a contaminação por Zika vírus.
Novo critério reduz casos suspeitos
O ministério elaborou um protocolo emergencial de vigilância e resposta aos casos de microcefalia relacionados à infecção pelo Zika. Segundo Maierovitch, o objetivo do novo protocolo é passar informações, orientações técnicas e diretrizes aos profissionais de saúde. “O protocolo começa hoje e a partir dele poderemos classificar os casos suspeitos”.
Isso porque o documento contém a definição de casos suspeitos de microcefalia durante a gestação, o parto ou após o nascimento; além da adoção de critérios para exclusão de casos suspeitos - o perímetro cefálico (circunferência da cabeça) deverá ser igual ou menor a 32 cm.
Maierovitch afirmou que a nova medida padrão adotada é a mesma preconizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Na prática, ela deve diminuir o número de casos suspeitos. “Essa diferença aparentemente pequena leva a um grande número de notificações de crianças que estão na curva de normalidade, no extremo dessa curva”, disse.
o dia.ig.com.br

Comentários