domingo, 13 de dezembro de 2015

A humildade de um Rei


  
Nos campos reinava a injustiça,
Um clima de desesperança rondava 
a periferia...
Nas ruas se faziam ouvir 
gritos de pesadelos.
Pobres, mulheres, 'doentes' 
e idosos 
- Nada valiam.

O mundo sem esperança 
de redenção.
Na terra ressequida nada crescia, 
ainda regando,
As poucas flores que nasciam, 
morriam de inanição. 
Corações petrificados jorravam 
maledicências,
Autoridades escravizavam 
os pobres,
Portadores de doenças 'graves' 
eram abandonados.
Mas... 
Deus não esqueceu seus filhos e,
Da aridez da terra rachada 
fez nascer a mais
Bela Flor: 
MARIA!!

Cumpriram-se as profecias!
Na abóbada celeste ecoaram 
cânticos de glória,
Aleluias, vivas de alegria povoaram 
o universo!
Animais, em “atitude” de adoração, 
ofereceram seu bafejo,
(aquilo que os homens negaram) 
para aquecer a
Divindade, 
e a humanidade ali transfigurada
Entre a fragilidade e a fortaleza, 
entre a ternura e o poder do 
Novo, 
Único e Eterno...

Rei do Universo: 
JESUS!!!
*******
Ísis Dumont

Este texto e outros podem ser facilmente acessados na
Antologia 'Flores de Natal', da qual participei, no 
Recanto das Letras, em dezembro/2014.
Gratuito para baixar e imprimir se desejar.
Um trabalho conjunto com a participação de várias poetisas.
Idealizado e organizado pelo brilhante escritor carioca:
Miguel Carqueija.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays