quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Formigas



No começo eram poucas, andando em fileiras pela pia da cozinha. Não dei importância. Elas sempre aparecem de tempos em tempos. É sazonal, pensei.
     No terceiro dia elas aumentaram em tamanho e quantidade. Resolvi seguir o itinerário delas. Entravam em um pequeno orifício na parede e desapareciam. Melhor deixá-las quietas, a natureza sabe o que faz, anuí.
     Ao acordar na manhã seguinte, levei um susto: a cozinha estava tomada por elas. Impossibilitado de preparar o café, pois além da cozinha, sobre o fogão formou-se uma montanha delas. Não tive dúvidas, peguei um frasco de inseticida aerosol e apliquei sobre elas. Depois de mortas, juntei-as em vários sacos plásticos e atirei ao lixo. Apliquei o veneno no orifício, na esperança de matar a rainha, pois, uma vez morta, todo o formigueiro morre junto. O dia passou sereno, apesar de a cada hora aplicar mais veneno no orifício, pois algumas formigas teimavam e sair e vadiar pela pia. 
     Anoiteceu. Enquanto eu dormia elas me atacaram e arrastaram meu corpo, em minúsculos pedaços, para dentro do formigueiro.

J Estanislau Filho

2 comentários:

  1. Fantástico este texto. Boa escolha.
    beijogrande

    ResponderExcluir
  2. Uau!
    Muito bom texto. Mas que essas bichinhas perturbam, perturbam.

    ResponderExcluir

Eles estão caçando gays