Morre mulher cuja imagem virou símbolo da luta contra ditadura militar


Em 1979, a menina Rachel se recusou a cumprimentar o então presidente João Baptista Figueiredo
Em 1979, a menina Rachel se recusou a cumprimentar o então presidente João Baptista Figueiredo

Morreu no sábado (11), em Belo Horizonte, Rachel Clemens Coelho, 41, que virou símbolo da luta contra a ditadura militar (1964-1985) quando tinha apenas cinco anos.
Em setembro de 1979, no Palácio da Liberdade, sede do governo mineiro, a garota se recusou a cumprimentar o então presidente João Baptista Figueiredo (1979-1985), que visitava a capital mineira para lançamento do carro a álcool.
O general-presidente tomou cafezinho no centro da cidade, fez um discurso, seguiu para o Palácio da Liberdade para almoçar com o governador Francelino Pereira (Arena) e autoridades do governo mineiro, tudo caminhando de acordo com o planejado.
Mas, para surpresa de Figueiredo, ao dirigir seu cumprimento para a menina, ela o rejeitou e permaneceu de braços cruzados.
O pai de Rachel era funcionário do DER (Departamento de Estradas e Rodagens) de Minas Gerais, tinha sido convidado para o almoço e levado a filha ao evento.
A imagem do fotógrafo Guinaldo Nicolaevsky (1939-2009), militante de oposição ao regime militar, foi publicada por diversos jornais e revistas no Brasil e no exterior.
Rachel Coelho morreu de parada cardíaca. Ela cresceu em Belo Horizonte, formou-se em comércio exterior, fez pós-graduação no Instituto Tecnológico da Aeronáutica e atuou profissionalmente em diversos países. Deixou uma filha, Clara.
Em 2011, ao se lembrar do episódio, Rachel disse que, com apenas cinco anos, não tinha noção do que representava seu gesto.
"Sou de uma época em que a criança era só criança e se preocupava mais em brincar e se divertir", afirmou.
Ampliar

Veja fotos históricas do golpe de 1964 e da ditadura militar (1964-1985)15 fotos

13 / 15
O sucessor de Figueiredo foi escolhido indiretamente pelo Colégio Eleitoral, formado pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal. Em 15 de janeiro de 1985, o Colégio Eleitoral escolheu o deputado Tancredo Neves (PMDB), na foto, como novo presidente da República Leia mais Rosa Gauditano/Folha Imagem
UOL/BH

Comentários

Postar um comentário