sexta-feira, 27 de março de 2015

Pondo um fim ao colapso silencioso

Caros amigos,

Ao retornar de sua última travessia no Oceano Pacífico, o navegador profissional Ivan Macfadyen trouxe um alerta assustador: 

"Estava acostumado a ver tartarugas, golfinhos, tubarões e muitas aves migratórias. Desta vez, porém, por 3 mil milhas náuticas, não havia nada vivo à vista.” 

Uma extensão do mar antes vibrante estava assustadoramente quieta, coberta de lixo. 

Especialistas chamam o fenômeno de colapso silencioso. Embora apenas poucos de nós vejam dessa forma, somos a sua causa: sobrepesca, mudanças climáticas, acidificação e poluição devastam nossos oceanos e dizimam espécies inteiras. Não é apenas a extinção de milênios de maravilhas e belezas, é também o impacto em nosso clima e em toda a vida na terra. 

Entretanto, ainda temos uma pequena oportunidade para agir e 2015 pode vir a ser o ano em que a maré mudou: a ONU está considerando uma iniciativa para suspender o despejo de lixo e a pilhagem dos oceanos, e o Reino Unido acabou de anunciar a criação da maior reserva marinha já vista em um dos cantos mais preservados da Terra! 

A falta de vontade política é o único verdadeiro obstáculo para que mais acordos como estes sejam fechados. Porém, criar uma pressão pública enorme para forçar a vontade política é o que a nossa comunidade sabe fazer de melhor. 

A Avaaz já ajudou a criar duas das maiores áreas marinhas protegidas no mundo. Se uma boa quantidade de pessoas se comprometer a contribuir agora, será possível turbinar nossas campanhas para reverter essa crise e salvar nossos preciosos oceanos do colapso silencioso. 

O depoimento de Ivan sobre sua viagem apocalíptica é um alerta estridente por ação.Vamos começar agora mesmo

Clique agora para se comprometer com uma doação para a campanha pelos oceanos na Avaaz. As doações só serão processadas se for arrecadado o suficiente para expandir nossa atuação: 


Somos nós contra poluidores, impérios pesqueiros e agronegócios. Neste exato momento, barcos de pesca estão raspando por completo o fundo dos oceanos e mais de 80% da poluição marinha é proveniente de fertilizantes, pesticidas e plásticos desovados nos oceanos. As avaliações são terríveis: em menos de 50 anos, nossos oceanos talvez não tenham mais peixe. Em 100 anos, todos os recifes de corais podem estar mortos. 

Da mesma forma que parques ecológicos selvagens funcionam para reabilitar a vida na terra, o mesmo acontece nos oceanos. Se nossos governos criarem reservas marinhas grandes o bastante e reforçarem leis da proteção, os oceanos podem se regenerar

O compromisso a ajudar agora significa que poderíamos ganhar uma rede de santuários marinhos nos oceanos Pacífico, Antártico e Atlântico; desafiar as empresas de pesca e agronegócios ilegais que estão destruindo regiões naturais pristinas; e batalhar junto à ONU por um acordo com validade jurídica em prol da preservação dos altos mares, com o objetivo de proteger 64% das superfícies marinhas! 

Segundo o famoso explorador marítimo Jacques Cousteau, "as pessoas protegem o que amam”. Vamos todos contribuir para inspirar milhões de pessoas a se apaixonarem pelos oceanos e a defenderem seus tesouros. 

Clique abaixo para ajudar com o que puder, e a Avaaz processará doações somente se conseguirmos arrecadar o suficiente para fazer a diferença:


O momento em que vivemos ainda não é um ponto sem volta: a extinção de mamíferos marinhos ainda é menor do que a de terrestres, e os ecossistemas marítimos encolheram menos do que os terrestres. Ainda não ultrapassamos um ponto crítico para nossos oceanos, mas chegaremos à crise se não entrarmos em ação logo e em uma escala que rivalize a amplitude do problema. Não há nenhuma outra comunidade no mundo capaz de fazer isso como a gente. 

Com esperança e uma gratidão enorme por esta comunidade inspiradora, 

Emma, Nell, Ricken, Maria Paz, Diego, Danny, Risalat e toda a equipe da Avaaz 


MAIS INFORMAÇÕES 

Vida do oceano corre risco de extinção maciça, amplo estudo afirma (em inglês) (New York Times)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays