Cristina Kirchner diz acreditar que promotor não se matou




Cristina Kirchner diz acreditar que promotor não se matou
 A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, afirmou nesta quinta-feira que está "convencida" de que a morte do promotor Alberto Nisman "não foi um suicídio. De acordo com uma nota publicada em seu blog e suas redes sociais, ela acredita que foram "plantadas pistas falsas" para ele dentro de uma "operação contra o governo. Por que alguém ia se suicidar sendo promotor e gozando ele e sua família de uma excelente qualidade de vida?, questionou a presidente, que continua sem aparecer em público. Nisman foi encontrado em sua casa com um tiro na cabeça horas antes de...
www.pbagora.com.br/conteudo.phpid=20150122110846&cat=mundo&keys=cristina-kirchner-acreditar-


Promotor que denunciou presidente da 

Argentina é encontrado morto


Promotor que denunciou presidente da Argentina é encontrado morto















O promotor federal argentino Alberto Nisman, de 51 anos, foi encontrado morto em seu apartamento em Puerto Madero, bairro de alto padrão na capital argentina, na madrugada desta segunda-feira (19). Ele era o responsável pela investigação do atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em 1994, quando uma explosão deixou 85 mortos e provocou danos estruturais em outros 9 edifícios no bairro Once.

Ele disse na semana passada que a presidente argentina, Cristina Kirchner, havia aberto um canal de comunicação secreto com o grupo de iranianos suspeito de ter plantado a bomba. Segundo o promotor, o esquema tinha como objetivo inocentar os suspeitos para que a Argentina pudesse começar a negociar grãos em troca de petróleo do Irã. Ele apresentaria detalhes da denúncia ao Congresso nesta segunda.

De acordo com o jornal argentino "Clarín", as primeiras informações indicavam que o corpo de Nisman foi encontrado com perfuração na cabeça, compatível com uma arma de pequeno calibre. "Alberto Nisman foi encontrado morto no domingo à noite em seu apartamento no 13º andar da torre Le Par, no bairro de Puerto Madero em Buenos Aires", informou o Ministério da Segurança Pública da Argentina em comunicado.

Suspeita de suicídio A suspeita é que ele tenha se suicidado, ainda que as circunstâncias de sua morte não tenham sido esclarecidas e que autoridades policiais estejam evitando dar informações sobre o caso. "Todos os caminhos levam ao suicídio", declarou o secretário de Segurança, Sergio Berni. O funcionário afirmou que a presidente Kirchner foi notificada do caso e que as perícias foram feitas "com absoluta transparência em frente ao juiz, à procuradora e com a presença de testemunhas e da família de Nisman", disse o canal de notícias TN. A uma rádio, Berni disse que a reação da presidente foi "a mesma de todos, de uma surpresa muito forte e depois de comoção devido ao impacto que esse fato tem".

Agora o importante é que sigam adiante as investigações. É preciso analisar o que há revelado nos expedientes", Aníbal Fernández,secretário-geral da presidência da Argentina. 

O governo argentino ofereceu apoio para esclarecer a morte. "O juiz tem todo o apoio por parte das forças de segurança para garantir o esclarecimento deste fato doloroso", disse o chefe de Gabinete do governo argentino, Jorge Capitanich. "Me dói terrivelmente que tenha ocorrido isto", afirmou o secretário-geral da presidência, Aníbal Fernández, que pediu que a morte do promotor não interrompa a investigação. "Agora o importante é que sigam adiante as investigações. É preciso analisar o que há revelado nos expedientes", acrescentou Fernández ao canal "Todo Noticias".

Arma encontrada A promotora que investiga a morte de Nisman confirmou que foi encontrada uma arma na residência dele em Buenos Aires, mas pediu prudência e cautela à espera das conclusões das investigações. “Peço prudência”, disse a promotora Viviana Fein, que confirmou que o corpo foi achado pela mãe de Nisman no banheiro de seu apartamento, em um edifício que conta com segurança privada no exclusivo bairro portenho de Puerto Madero.

Viviana confirmou aos meios de comunicação que também foi encontrada uma arma do calibre 22 no imóvel, mas evitou fazer comentários sobre as circunstâncias da morte de Nisman. Ela confirmou que a mãe do promotor foi contatada pelos seguranças pessoais deles – 10 agentes da polícia, no total –, que alertaram a família diante da falta de resposta aos insistentes telefonemas no domingo (18).


G1
PB Agora

Comentários