terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Unicef diz que 2014 foi 'ano devastador' para as crianças




Ao menos 15 milhões de crianças foram atingidas por conflitos e guerras.
Ameaças incluem ainda sequestros, tortura, recrutamento e surto de ebola.

O ano de 2014 foi devastador para as 15 milhões de crianças atingidas por conflitos na República Centro-africana, Iraque, Sudão do Sul, os territórios palestinos, Síria e Ucrânia - informou nesta segunda-feira (8) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).
"Crianças foram assassinadas enquanto estudavam em suas salas de aula ou dormiam em suas camas. Ficaram órfãs, foram sequestradas, torturadas, recrutadas como soldados, violentadas e até vendidas como escravos", disse o diretor da Unicef, Anthony Lake.
"Nunca, na história recente, tantas crianças foram submetidas a tal brutalidade indescritível", expressou o delegado, acrescentando que "este foi um ano devastador para milhões de crianças".
Globalmente, cerca de 230 milhões de crianças vivem em países e áreas com conflitos violentos, enquanto 15 milhões foram vítimas diretas dos combates.
Mais de 7,3 milhões de crianças foram afetadas pelos conflitos armados na Síria, dos quais 1,7 milhões são refugiados em países vizinhos, 2,7 milhões no Iraque e 2,3 milhões na República Centro-africana (RCA).
No Sudão do Sul, 600 menores foram assassinados e mais de 200 mutilados na guerra civil que assola o país há um ano, e que também já causou o deslocamento de outros 750 mil pequenos.
A Unicef estima em mais de 10 mil o número de crianças-soldados recrutadas por grupos armados da RCA em 2014 e destaca que os centros escolares e de saúde são alvos cada vez mais recorrentes, como na Síria.
Durante os dois meses de conflito na Faixa de Gaza, outras 538 crianças morreram e outras 54 mil seguem desabrigadas. A Unicef também lembra os efeitos devastadores de guerras esquecidas que continuam no Afeganistão, no leste da República Democrática do Congo, Somália, norte da Nigéria ou Iêmen.
O organismo também destacou as novas ameaças que surgiram nos últimos meses, como a epidemia de ebola, que deixou milhares de órfãos e impede que outros 5 milhões de menores e adolescentes continuem seus estudos na Guiné, Libéria e Serra Leoa, os países mais afetados pela doença.
tópicos:
    • G1.com

      Imagens: Pesquisei no Google.
  • Por que "tratam"  dessa forma a esperança do mundo?


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays