quinta-feira, 10 de julho de 2014

A melhor maneira de combater a Monsanto

Caros amigos,


Os alimentos do planeta estão em perigo. Dez grandes empresas agroquímicas comandam 73% de todo o mercado de sementes, e cerca de 93% das variedades de sementes já foram extintas. No Brasil, a gigante Monsanto afirma que 70% de toda soja colhida no país é derivada de suas sementes. 
A Monsanto e empresas do ramo estão privatizando as origens da natureza. Esse império está acabando com a agricultura sustentável, destruindo a diversidade das colheitas e tornando nossas plantações vulneráveis a doenças que podem ameaçar nossa segurança alimentar. 
Mas os fazendeiros estão resistindo, guardando 
sementes em bancos e celeiros em todas as partes do mundo. E eles acabaram de criar um projeto revolucionário: o primeiro "Mercado Livre" de sementes sem fins lucrativos do mundo. Ali, qualquer produtor agrícola, de qualquer lugar do mundo, pode fornecer uma ampla variedade de plantas a preços mais baixos que as sementes transgênicas das empresas químicas. Essa loja online pode devolver todos os tipos de sementes ao mercado e romper lentamente com o monopólio que coloca em risco o futuro da nossa comida. 
Esta pode ser a ideia mais inovadora de produção agrícola em décadas e a melhor maneira de combater a Monsanto. Mas empresas de transgênicos com frequência atacam e processam qualquer pessoa que fique contra elas, e os fazendeiros pediram nossa ajuda. Se conseguirmos arrecadar recursos suficientes agora, podemos ajudá-los a lançar o site, apoiar a instalação dos bancos de sementes em países-chave, financiar propagandas e anúncios publicitários e, ainda, criar um fundo de defesa legal para responder a possíveis processos. 
Comprometa-se com uma doação para dar início ao mercado de sementes -- a Avaaz somente processará as doações se conseguirmos arrecadar o suficiente para financiar toda a iniciativa 



Por milhares de anos, a agricultura foi uma atividade familiar. Os fazendeiros selecionavam, replantavam e criavam variedades de sementes. Até que as grandes empresas agroquímicas persuadiram diversos governos a promoverem um sistema de produção de alimentos em regime de monocultura. As empresas prometem aos fazendeiros maiores lucros e, com frequência, os enganam com longos contratos de sementes e pesticidas geneticamente modificados. Em seguida, eles se utilizam de leis de patentes e acordos para fazer com que os fazendeiros abandonem suas práticas tradicionais de criação de novas sementes. 
Ainda não há consenso sobre o efeito das plantações transgênicas a longo prazo, mas peritos dizem que a falta de estudos científicos independentes significa que pode haver sérios riscos à saúde que ainda não conhecemos. E não há evidências claras de que a introdução de sementes transgênicas melhorou a renda dos fazendeiros ou permitiu que fornecessem mais alimentos para a população mundial -- na verdade, em muitos dos casos, as semelhantes transgênicas levaram pequenos fazendeiros independentes à falência. Em casos extremos, alguns fazendeiros se suicidaram para fugir das dívidas. 
As duras consequências vão além dos fazendeiros. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, mais de ¾ da diversidade genética das nossas plantações já se perdeu devido à consolidação das práticas industriais de plantio. Quando usamos espaços de terra gigantes para apenas um tipo de cultivo, em vez de um sistema rotativo, nossas colheitas se tornam mais sucetíveis à doenças. Se, por um lado, os transgênicos podem aumentar o rendimento das colheitas, a falta de diversidade de sementes e práticas sustentáveis coloca em risco a segurança alimentar do planeta. 
Mas podemos vencer essa crise. As corporações estão no controle há apenas algumas décadas. Produtores locais têm guardado sementes em todos os cantos do mundo e, se tiverem o apoio que merecem, esse mercado online de sementes pode ajudar a recuperar a nossa comida. Uma coalização com mais de 20 grupos e líderes no campo da agricultura sustentável como o Centro de Segurança Alimentar (com base nos EUA) e a ativista Vandana Shiva estão aguardando nossa resposta para lançar o projeto. Nossas doações podem ajudar de várias formas: 
  • apoio direto a iniciativas na África, Ásia, Europa e nas Américas;
  • criação de um website de primeira para a venda online de sementes, conectando comunidades de produtores e fazendeiros de várias partes do mundo, e permitindo que eles vendam sementes legalmente, além de compartilhar boas práticas;
  • ajuda para criar um fundo de defesa legal contra possíveis processos da Monsanto e outras empresas;
  • publicidade e anúncios para que fazendeiros de todos os cantos junte-se à iniciativa;
  • fazer campanhas por legislações que protejam as sementes atuais e contra o domínio industrial das patentes.
  • A Monsanto tem imposto suas sementes transgênicas e a visão de agricultura industrial nas mentes dos fazendeiros (e de todos nós) durante anos. Mas se cada um de nós se comprometer com uma doação, poderemos lançar esse projeto de banco de sementes revolucionário e proteger as variedades de maçãs, pêras e tomates para as gerações futuras.Contribua agora e a Avaaz somente processará as doações se conseguirmos o suficiente para fazer esse projeto decolar:            
SIM, EU DOAREI R$5

SIM, EU DOAREI R$9

SIM, EU DOAREI R$18

SIM, EU DOAREI R$36

SIM, EU DOAREI R$72 

Para doar outra quantia não lista acima, clique aqui.
"Plantar uma semente é o mesmo que acessar os mistérios mais profundos do universo." Estas sementes guardam em si a origem e o mistério da vida como a conhecemos. Vamos apoiar este movimento e proteger esse mistério do domínio das empresas e ajudar a trazer de volta milhares de plantas que pensávamos que já não existiam mais. 

Com esperança e determinação 
Alice, Maria Paz, Nick, Emma, Ricken, Antonia, Patricia, Mais, Emily, Diego e toda a equipe da Avaaz 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays