sexta-feira, 16 de maio de 2014

Denúncia

Recebi por e-mail e compartilho com vocês!
Paz e bem!
Bom dia!!!!
Greenpeace
Esta manhã ocupamos uma madeireira perto de Belém, no Pará, para denunciar a situação inaceitável em que se encontra o setor de madeira da Amazônia.
Olá,
Após dois anos de investigação, nossa campanha finalmente foi para a rua... ou melhor, para a floresta. Esta manhã ocupamos uma madeireira perto de Belém, no Pará, para denunciar a situação inaceitável em que se encontra o setor de madeira da Amazônia.
Nos últimos meses, rodamos e voamos sobre milhares de quilômetros para saber como a exploração de madeira está sendo feita na maior floresta tropical do planeta. Conversamos com moradores de comunidades, muitos ameaçados de morte, estudiosos, madeireiros e procuradores do Ministério Público Federal.
Também analisamos imagens de satélite e fizemos uma extensa pesquisa sobre as praticas do setor. Nossa investigação concluiu que a retirada ilegal de madeira é regra na Amazônia. Pior: ela é alimentada pelas falhas no sistema de controle do próprio governo. Para se ter uma ideia, entre 2011 e 2012, 78% das áreas de extração de madeira no Pará não tinham autorização. Esse índice chega a 54% para o Mato Grosso, segundo maior produtor de madeira da Amazônia, depois do Pará.
Boa parte dessa madeira é escoada para o mercado – nacional e internacional – e pode parar nas nossas casas. O detalhe perverso é que essa madeira de origem suja, muitas vezes, está acompanhada de um documento que atesta sua legalidade. Trata-se de ‘lavagem’ de madeira ilegal com documentos oficiais.
Você pode nos ajudar a dar um ponto final nesses crimes ambientais. Mande uma mensagem à presidenta Dilma e aos candidatos à Presidência da República para que a retirada de madeira seja feita de forma responsável, respeitando a floresta e seus povos.
Assine a petição
Para que essas e outras ações se tornem realidade, contamos com a participação de pessoas como você! Entre para o nosso time. Juntos podemos mudar o futuro.
Junte-se a nós
Marcio Astrini
Campanha da Amazônia
Greenpeace Brasil
Facebook Twitter Google+
Greenpeace

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays