Sindicatos e militantes petistas fazem protestos contra impeachment em 17 Estados e no DF

Movimentos sociais e sindicatos ligados ao Partido dos Trabalhadores realizam na tarde desta quinta-feira protestos em defesa da presidente Dilma Rousseff e contra o processo de impeachment em pelo menos 17 Estados e no Distrito Federal. Os principais locais da manifestação, onde são esperados um número maior de pessoas, são Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. A presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é esperada na capital federal.
Os principais alvos de ataque dos manifestantes são o vice-presidente Michel Temer, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o juiz Sergio Moro, que conduz a Operação Lava Jato em Curitiba na 1ª instância. Entre os participantes do grupo, estão militantes de partidos como PT e PCdoB, integrantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terrra, entre outros grupos.
Todos os servidores da Câmara dos Deputados foram autorizados a sair mais cedo por causa da manifestação que acontece nas proximidades do Congresso Nacional. O texto, enviado pelo diretor-geral da Casa, Romulo Mesquita, "dispensa o ponto" dos funcionários a partir das 17h. A decisão, segundo Mesquita, é para "facilitar o retorno dos funcionários às suas casas, em decorrência do ato que bloqueará os acesso aos prédios da Câmara". Ainda de acordo com a mensagem, "os servidores que ainda não completaram a sua jornada ordinária terão automaticamente suas horas abonadas".
Segundo uma sindicalista da CUT, entre 700 e 1.000 ônibus estão a caminho de Brasília, onde a Polícia Militar estima que cerca de 10 mil manifestantes participam do ato.
(Da redação)

Comentários