quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Olhos (poesia)



 Olhos - Janelas da alma

 Para alguns, o espelho da alma,
Para outros, uma caixa de Pandora.
Deles emana uma fúria silenciosa
Que calada retumba como o trovão.

Em suas lágrimas contidas
Escorrem o orvalho da manhã
Ressurgindo no temporal do crepúsculo.

Ao sol se desnudam de alegria
Mas em cinza se vestem de tristeza.
Refugiam-se no vazio
Para preenchê-lo com vigília.

Olhos pudicos que se escondem
Atrás da inocência,
Que se fartam diante a sede
De um beijo molhado.
Mas que sofrem com a tristeza
De um olhar não apaixonado.

(Agamenon Troyan)











Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eles estão caçando gays